People Analytics: Leia este artigo detalhadamente. Se preferir, vá logo para as 3 dicas de como esse conceito pode ajudar a aumentar a sua empregabilidade

Ou então chame seus amigos e leiam juntos ou não leia nada, porque afinal de contas você não está com paciência nem para ler um título deste tamanho!

Olá, vamos falar de pessoas ou podemos falar de análises?

Então, o ideal é falar de ambos e, daqui pra frente, o mercado falará cada vez mais de análises de pessoas, porque passamos pela era do conhecimento. Já existem gerações atuando no mercado de trabalho e que são nativos digitais, ou seja, eles nasceram depois que o pendrive foi inventado, mas para que servem os pendrives quando se pode salvar dados na nuvem? – talvez eles pensem.

As gerações estão juntas e misturadas, o conhecimento está transbordando por todos os lados, ratificando que sua era foi bem-sucedida em acumular e espalhar dados e informações de todos os tipos. Porém, a era do comportamento foi finalmente iniciada ou reiniciada, afinal de contas, desde os gregos antigos que a humanidade observa e tenta compreender como as características comportamentais interferem nos resultados produzidos pela humanidade.

E agora, o mercado busca por People Analytics, que nada mais é que recolher, coordenar e analisar informações a respeito do comportamento dos profissionais, com o objetivo de ajudar empresas e organizações a tomarem decisões, antecipar problemas e definir estratégias como correlacionar o perfil comportamental de um profissional com as características comportamentais que serão exigidas pelo cargo que ele irá ocupar, por exemplo.

Você notou o título do artigo? Grande, não é? Foi de propósito e visava falar com cada um dos fatores predominantes do DISC. É provável que um perfil com um D predominante não tivesse paciência para ler o título, o que dirá um artigo que tivesse um título desse tamanho (um risco que eu corro). Um fator C predominante poderia gostar da sugestão de leitura detalhada do artigo, já um I predominante talvez fosse correndo para encontrar as 3 dicas para aumentar sua empregabilidade e um S como fator predominante poderia, de forma empática, ter a consideração em compartilhar o artigo com amigos.

Bom, tudo isso ratifica tanto o motivo pelo qual estou escrevendo o artigo para você como o motivo pelo qual o mercado está aderindo ao People Analytics na nossa “nova” era, a do comportamento. Caso ainda não conheça a Metodologia DISC e não tenha o seu perfil comportamental, entre em contato conosco.

Então, vamos as 3 dicas de como o People Analytics pode ajudar a aumentar a sua empregabilidade?

  1. Se o mercado de trabalho está focado em analisar o comportamento das pessoas, é óbvio que surgirá a necessidade de contratar profissionais que possam fazer essas análises e ajudar empresas e organizações a alcançarem melhores resultados. É possível que não demore muito para surgirem expressões como: Designer de Análise Comportamental, Psicoanalista Comportamental, Analista de Pessoas, Intra-analista e Inter-analista Comportamental… Ou seja, antecipe-se e antes que descubram como definir o rótulo do cargo já se apresente para o mercado como alguém que pode atuar na era do comportamento.

  2. Quanto mais tecnologia é desenvolvida, mais pessoas precisam ser treinadas e compreender como separar o momento conectado do momento não conectado. Estamos vivendo sob constante entrega de recursos tecnológicos que estão cada vez mais sendo criados de forma a serem pervasivos, ou seja, onipresentes, misturando cada vez mais o mundo real e o virtual. E para treinar pessoas e ajudá-las a manterem sua saúde emocional, é vital que se tenha cada vez mais pessoas exercendo atividades que estejam adequadas com o seu perfil comportamental. Um profissional de People Analytics poderá se especializar nisso, trazendo para empresas e organizações uma série de atividades que poderiam não parecer fazer parte do ambiente corporativo. Afinal de contas, o happy hour não precisa ou não deveria ser depois do expediente, mas antes, durante e depois. Ter horas felizes no trabalho é fundamental. Você poderá atuar com isso!

  3. Para um trabalho de People Analytics, é preciso levar em consideração como as pessoas se relacionam. E onde elas mais se relacionam atualmente? Nas lotadas redes sociais. Então, se você é uma pessoa que já navegou por alguma delas e pensa em se especializar para atuar com People Analytics, sem dúvida a sua vivência nas redes sociais será extremamente valiosa.

Uma análise do comportamento nas redes sociais, da forma como as diferentes gerações estão coexistindo e interagindo e como isso poderá impactar no dia a dia das empresas e organizações, é algo que será cada vez mais analisado, visando evitar suicídios, talvez. Imagine o quanto de ganho pessoas e organizações terão à medida que o comportamento tiver um cuidado maior da nossa parte.

Sabermos filtrar o que serve para nós de todos os conhecimentos que a era da informação nos traz, compreendermos a importância de atuarmos em profissões adequadas ao nosso perfil comportamental, comunicarmos melhor em sociedade, seja no mundo real ou no digital, serão apenas alguns desses ganhos.

Quantos profissionais podem se beneficiar com o People Analytics?

Aqui na ETALENT, temos uma formação que proporciona para pessoas e organizações os conhecimentos, comportamentos e habilidades necessárias para atuarem na era do comportamento e consequentemente do People Analytics. Seja você da área que for, poderá compreender a importância do comportamento e como ele poderá ajudá-lo a alavancar os seus resultados profissionais e pessoais.

Vou concluir com uma citação que eu gosto muito e que é extremamente relevante para refletirmos na era do Comportamento.

Nenhum homem é uma ilha, completo em si próprio; cada ser humano é uma parte do continente, uma parte de um todo.
John Donne

Caso tenha interesse em conhecer nossa Formação DISC ETALENT, envie um e-mail pra gente para ganhar acesso gratuito ao módulo introdutório. Ela existe tanto na modalidade presencial quanto EAD.
Um abraço e até o próximo artigo!

 

Andre Costa | ETALENT

Por André Costa
Desenhista instrucional na ETALENT desde 2012. Docente da área de comunicação do Senac RJ. Especialista em Educação a Distância. Coach e Palestrante.